Cânions do sul catarinense podem ser reconhecidos como Geoparque pela Unesco

Foi investido R$ 105 mil reais para os estudos iniciais para elaboração do projeto

Uma das paisagens naturais mais belas de Santa Catarina e procuradas pelo turismo de aventura pode se tornar um Geoparque por parte da Unesco (Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura). Para que o Caminho dos Cânions do Sul, no Sul do Estado, possa ser incluído nessa categoria a SOL (Secretaria Estadual de Turismo, Cultura e Esporte) formalizou, na última segunda-feira, a contratação da empresa Geodiversidade Soluções Geológicas, de Curitiba (PR), que deve realizar nos próximos seis meses o estudo do local para apresentar a candidatura à Unesco. O investimento para produzir esse estudo é de R$ 105 mil, recursos que são do Programa SC Rural.

Para ser caracterizado como Geoparque o local precisa ter um notável patrimônio geológico, para isso a consultoria irá trabalhar no desenvolvimento da estratégia de geoconservação, que deverá conter o inventário dos geossítios existentes no território, bem como a revisão dos estudos prévios sobre patrimônio geológico. A partir disso, deverá ser feita a avaliação do potencial uso para cada geossítio (científico, educativo e/ou turístico), das técnicas de conservação necessárias e das ações e programas de valorização e divulgação do atrativo.

Também será necessário estabelecer o programa de monitoramento destes locais para garantir, simultaneamente, o uso e a conservação. Além das escarpas da Serra Geral, há uma beleza cênica dos cânions, onde se encontra uma rica biodiversidade abrigada nos Biomas Mata Atlântica e Mata de Araucária. Por se encontrar geograficamente em locais de baixa e de grande altitude, costeira e serrana, a região é favorecida pela formação de diferentes ambientes climáticos, que por sua vez, englobam e determinam um conjunto de ecossistemas variados propiciando uma pluralidade de atrativos, que incluem praias, campos de duna, grutas, cânions, costões, morros, chapadas, vales e mananciais de recursos hídricos (lagoas, rios, cascatas).

Conforme o secretário estadual de Turismo, Cultura e Esporte, Leonel Pavan, a empresa deverá realizar, dentro de seis meses, os estudos necessários nos municípios de Praia Grande, Jacinto Machado, Timbé do Sul e Morro Grande. “Se houver esse reconhecimento, os cânions passarão a integrar a Rede Mundial de Geoparques. No Brasil, o único Geoparque existente é o de Araripe, no Ceará. Isso irá movimentar mais recursos para a região, para melhorias nas estradas e investimentos para receber os turistas”, diz Pavan. Para o secretário, a ideia já é discutida há pelo menos 10 anos e agora surge a iniciativa de colocar elas no papel e avançar. “Falamos tanto na ideia, então sentimos que faltava o projeto técnico, já que temos aqui um dos lugares mais belos do Brasil”, enfatiza.

Segundo o secretário Pavan, a Unesco define de Geoparque um território de limites bem definidos com uma área suficientemente grande para servir de apoio ao desenvolvimento socioeconômico local.

Deve abranger um determinado número de sítios geológicos de relevo ou um mosaico de entidades geológicas de importância científica, raridade e beleza, que seja representativa de uma região e da sua história geológica, eventos e processos.

“Vamos buscar essa certificação que nos concederá vários recursos financeiros para investir no local. A fase de estudos e elaboração do projeto está no planejamento deste ano ainda. Queremos tornar aquela região dos cânions tão valorizada, como o nosso litoral”, destaca Pavan.

A importância de um Geoparque para a comunidade que o compõe se define mediante as seguintes metas:
*Preservar o patrimônio geológico para futuras gerações (geoconservação).

*Educar e ensinar o grande público sobre temas geológicos e ambientais e prover meios de pesquisa para as geociências.

*Assegurar o desenvolvimento sustentável através do geoturismo, reforçando a identificação da população com sua região, promovendo o respeito ao meio ambiente e estimulando a atividade socioeconômica com a criação de empreendimentos locais, pequenos negócios, indústrias de hospedagem e novos empregos;

*Gerar novas fontes de renda para a população local e a atrair capital privado.